sábado, 8 de julho de 2017

Moritz


Nome: Moritz
Editora: NA
Autor: Sebastian Braunert
Ano de lançamento: 2017
Género: Plataformas
Teclas: Não redefiníveis
Joystick: Não
Número de jogadores: 1

Sebastian Braunert acabou de disponibilizar o seu primeiro jogo,e , segundo o mesmo, é crap. Não entraríamos nesse extremo, até porque para a estreia realizou um trabalho meritório, embora naturalmente existam bastantes aspetos a serem melhorados.

Mas vamos começar pela história do jogo, que segundo o seu autor é bastante melhor que este. Bem, história não há, mas louve-se o sentido de humor e de autocrítica de Braunert. Sejamos sinceros, a história não seria também aqui importante, pois estamos perante um típico jogo de plataformas, onde o que interessa é o timing e precisão de salto.


Em cada nível, ao bom estilo de Manic Miner, temos uma série de objetos para recolher, enquanto alguns inimigos vão deambulando pelo cenário. Alguns deles em padrões regulares, mas outros andam de forma errónea, o que os torna muito mais difíceis de evitar. E o mínimo toque neles é fatal, assim como em alguns elementos decorativos do cenário. Só depois de recolhermos todos os objetos é que nos poderemos dirigir para a saída e avançar para um novo nível.

Ainda segundo o seu autor existem dois níveis onde teremos que usar a tecla de disparo. No entanto ainda não avançámos até ai, pois o jogo tem dificuldade qb, mesmo com as quarenta e duas vidas inicias dadas inicialmente.

Existem, no entanto alguns pontos menos conseguidos. Assim, além da escolha de teclas não ser uma opção (a que vem por defeito é mais indicada para canhotos), os controlos são também demasiado sensíveis e por vezes iniciamos alguns níveis (como por exemplo o segundo, no ecrã acima) a morrer, o que não é propriamente motivador, levando a uma certa dose de frustração.

Em resumo, é um jogo a experimentar. Se não criarem grandes expetativas irão aqui passar uns momentos divertidos.

Poderão aqui obter o jogo.

Sem comentários:

Enviar um comentário