quinta-feira, 25 de janeiro de 2018

Roust


Nome: Roust
Editora: Highriser
Autor: Allan Turvey
Ano de lançamento: 2018
Género: Ação
Teclas: Não redefiníveis
Joystick: Kempston
Número de jogadores: 1

Roust é baseado num jogo do Spectrum de 1983, Joust, que por sua vez tinha ido buscar inspiração ao jogo de arcada com o mesmo nome. E o talentoso programador Allan Turvey pegou agora no tema e criou um jogo para entrar na competição ZX-Devs Conversions, convenientemente chamado de Roust, para que não exista qualquer confusão com o original.

Em Roust assumimos o papel de um cavaleiro, munido da sua lança. Só que não estamos montados num cavalo, mas sim numa avestruz. E ao contrário do que se passa no mundo real, esta avestruz, apesar das suas pequenas asas, consegue voar (ou algo semelhante). Para isso temos que ir batendo as asas para que ela permaneça no ar, doutra forma a gravidade empurra-a para terra. É que aqui não podemos esconder a cabeça debaixo da terra, muito pelo contrário, temos que a ter sempre bem no ar. Isto porque o objetivo é ir eliminando os inimigos que vão aparecendo em cada nível e que também surgem montados nas respetivas avestruzes voadoras.

Para os eliminar teremos que os atingir com a lança que está à nossa disposição, mas tendo sempre o cuidado de estar acima destes, nem que seja ligeiramente, doutra forma os inimigos vencem os duelos e perdemos uma vida. Se por outro lado os atingimos, estes transformam-se num ovo e temos então que passar por cima deles para os eliminar definitivamente, doutra forma do ovo nasce um novo guerreiro, que poderá depois saltar para uma nova avestruz e teremos mais um inimigo com que lidar. Existe ainda um elemento adicional a ter em conta, que é a inércia, dificultando o controlo da nossa avestruz, que tem a tendência de ir sempre para onde não queremos.


Há vários tipos de inimigo, sendo que à medida que vamos subindo de nível, a sua esperteza vai aumentando, deixando de vaguear passivamente pelos cenários, como acontece nos primeiros níveis, para passarem a perseguir-nos (existem quatro tipos de inimigos, sendo os azuis os mais rápidos e agressivos). Impõe-se assim alguma estratégia, pois temos que os atrair para um ponto inferior do cenário, para que possamos depois atingi-los por cima. Embora o jogo tenha níveis infinitos (ideal para quem competir pela pontuação), até ao nível 20 o grau de dificuldade vai crescendo, estabilizando depois. 

Como se não fosse já bastante difícil a nossa tarefa, convém ainda sermos rápidos. É que se nos demoramos demais num nível, aparece um passaroco cuja bicada é fatal e cuja única forma de o eliminar é atingindo-o no bico. Neste caso a alternativa mais viável é fugir a sete pés (ou asas) e tentar ir eliminando os restantes inimigos o mais rápido possível.

Os cenários vão também variando um pouco, e se no início é tudo terra firme, querendo dizer que podemos aterrar em qualquer ponto, à medida que vamos avançando de nível, o fundo torna-se menos sólido, mais líquido, e além de não podermos aterrar nesses pontos, se o sobrevoarmos baixinho também nos arriscamos a ser apanhados pelo monstro do lago. 


Como conversão o jogo leva nota máxima. Arriscamo-nos mesmo a dizer que é totalmente fiel à versão original, mas que consegue aumentar-lhe a jogabilidade e consequentemente a sua atratividade. É que Joust, ou Roust, neste caso, resume-se a isso, darmos às asas (carregando continuamente na tecla de disparo, exercício parecido ao de Decathlon e pouco recomendável para teclados mais sensíveis), e atingir ou fugir dos nossos inimigos. Não fosse a pouca profundidade do próprio jogo e a classificação seria mais elevada.

De qualquer forma, se gostam do género, este será o melhor clone de Joust que vão encontrar (e existem muitos a vaguear por ai). Poderão assim vir aqui obter o jogo, tendo um custo de 2.50 usd. Esperem também um jogo de bónus a acompanhar Roust, e melhoramentos a serem feitos em breve, incluindo a opção de dois jogadores em simultâneo.

Sem comentários:

Enviar um comentário